quarta-feira, 19 de julho de 2017

Ciúmes

Exposto em carne crua
Me vejo nu
Sozinho
Na rua

Escolha minha
De fato
Não lido bem
E falho

Amor não vai embora
Se transforma
Ciúmes não muda
Aperta o peito
Machuca

terça-feira, 21 de março de 2017

Projeção Astral

Posso me ver aqui de cima
Acordado enquanto ainda dormia
Parece tão natural
Algo tão real

Posso te ver tão diferente
Quantas luzes e cores quentes
Você está tão bonita
Muito mais bonita...

Aqui somos aquilo que somos
Sem maquiagem, mentiras ou planos
Expandindo nossa consciência
Fluindo com a correnteza

Realidade
Dimensão tão sútil
Trafegar pelo espaço sem tempo
Ir e vir num simples pensamento


segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Borboletas e Morcegos

Quando as constantes borboletas
Que voavam leves no meu estômago
Tornam-se morcegos
Pesados, pendurados, barulhentos

E fui eu quem escolheu assim
E agora? 
Qual o real preço disso tudo?
Ação e reação.

Te vira! 
Sacode!
Não seja egoísta!
Não de novo.

Se vai.
Deixe ir.
Cala-se.
Por ela e por ti.

terça-feira, 27 de outubro de 2015

AGORA!

Olha! Agora!
Sai aí fora 
Vai ver o frio que faz

Olha! Agora!
Vê se não demorar
Porque logo vai esquentar

Venha, vamos tomar um vinho
Assistir um filminho
Dividir um cobertor

Olha! Agora!
Abra a janela
Veja o sol que faz

Olha! Agora!
Vê se não demorar
Porque logo vai se pôr

Venha, vamos dar uma voltinha
Tomar uma cervejinha
E o curtir o calor

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Friagem


Um projétil alojado no peito
Um pino instalado no joelho

Um osso trincado que ainda não se recuperou
O tornozelo inchado que ainda causa dor

No frio tudo dói mais que o normal
No frio nada dói mais que a saudade.

*Republicação de uma poesia escrita por mim em 2012 que foi ilustrada pelo professor Samir Lahoud. O desenho ainda não havia sido publicado aqui no blog.

sábado, 22 de agosto de 2015

Mistura Fina

Ontem eu estava bem
Era uma mistura fina
Bebida e euforia
Alegria, alegria

Penso o quão bom seria
Se nossa vida fosse sempre
Equilibrada
Mas nunca está completamente bom

Nem sempre é mistura fina
Tem mistura densa, oleosa
Amarga ou doce até demais
Que pena

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Bagunça

Sentimentos estranhos
Fantasmas antigos
Saudade já morta
Quem abriu essa porta? 

Hoje acordei com saudades
E nem sei de quem 
Se é que isso 
É possível 

Sabe-se lá!
Quem me dera poder 
Escolher entre 
Você, você ou você

Quem me dera poder
Esquecer quem quer 
Que fosse
Você, você ou você